4 Comments

  1. Avatar Maria Stael Saraiva Bittencourt
    11 de janeiro de 2019 @ 16:06

    Acredito que a melhor maneira de preservar a dignidade do homem seja lhe dando a oportunidade de ter um trabalhi digno, uma educaçao de valores essenciais para formar seu caráter e reconhecer na educaçao o meio para alcançar os fins desejados por todos.

    Reply

  2. Avatar Cardoso
    16 de janeiro de 2019 @ 20:43

    Realmente falta meio para readequar esse pessoal a sociedade. isso é imprescindível pois todo mundo merece uma segunda chance e a oportunidade de ser uma pessoa melhor.

    Reply

  3. Avatar Maria Letícia Vieira Trindade
    25 de janeiro de 2019 @ 02:02

    É preciso pensar o problema em toda sua complexidade. Começando da falta de cuidado do município ou estado que esteja à cargo da instituição prisional e ignora as condições mais básicas de um ambiente digno de ser habitado pelos detentos, à familia que nao nenhum tipo de apoio ou de instrução para dar conta de fazer a sua parte. O descaso não vem só dos funcionários da polícia que desenvolvem sua rotina de trabalho nos ambientes prisionais. Os (As) assistentes socisis que deveriam atender, explicar e orientar as famílias das pessoas com liberdadd restringida são tratadas de modo absolutamente desrespeitoso. Ne pergunto a razão disso. Afinal, o que fizeram essas pessoas a serem humilhadas, maltratadas, execradas, quando nada de mal nem fora das regras e/ ou da lei fizeram? Basta estar ligada(o) a uma pessoa suspeita (atenção que, aqui, há um enorme abismo entre uma suspeição e uma certeza de um crime praticado. Muitas vezes estas pessoas estão injustamente detidas, com prazos vencidos, com julgamento resolvido e não vão a julgamento para que se resolva seu destino, ou com inocência provada e só aguardando a boa e lenta vontade do sistema de dar a ele seu direito de liberdade, ou sem uma resolução de remanejo para o presídio para cumprir pena. Mas a coisa não para por aí. O tratamento dentro fo sistema prisional é de uma crueldade que nem nos sonhos mais sombrios você pode imaginar. Os detalhes são tantos que o comentário aqui não possui o fôlego necessario para descrever. Além de todas as dificuldaes que o detento passa, as famílias, ah! As famílias, estas ficam totalmente ao Deus dará. Sem ou com recursos, elas nãotem acesso a NENHUMA informação. O NAF – Núcleo de Assistência Familiar, que deveria dar este apoio, simplesmente ignora a família, e se puder colocar obstáculos, não tem nenhuma duvida de o fazer. Os proprietários da Loja do Preso são as únicas pessoas que encontramos para nos oferecer uma luz de esperança e uma atenção humana e digna para informar sobre todas as regras e normas de cada Centro de Remanejamento e de cads presídio. Não se iluda com as coisas que aprendeu sobre o lugar onde a pessoa sua, amada, (sim, amada, porque mãe não abandona, pai não abandona, esposa ou esposo não abandona, filhos nao abandonam) está, porque sem não mais o diretor ou novo diretor muda as regras do jogo na hora que lhe der na telha. Coisas pernitidas passam a ser proibidas, coisas proibidas passam a ser permitidas, calendários de visita são alterados sem aviso prévio, pessoas chegam a ir em vão e nao conseguem ver os seus porque uma pessoa se acha o tofo poderoso. E o mais espantoso, ele É! As coisas dentro de um presídio, uma penitenciária, um centro de remanejamento só podem ser classificadas por quem tem honra, empatia, humanidade e respeito dentro de si, um lugar hostil ao espirito de qualquer pessoa, uma experiência tão triste e opressora que você pensa que não conseguirá resistir. Uma angústia desoladora que parece despedaçar seu coração com um aparelho esmagador. Todos, todos nós estamos sujeitos a ter uma pessoa que amamos nesta situação um dia. NINGUÉM é anjo e um dia, quando menos se espera, batem à sua porta e levam seu ser amado. Pense antes de julgar que as pessoas nasceram para isso. Cada história tem sua estória. Trate de alimentar o que há de bom e de humano dentro de você e não odeie simplesmente por odiar quem você não conhece. Muitas vezes você está execrando alguém que nao teve alternativa e, com toda certeza, está aprovando uma pura maldade por maldade sobre as famílias. Examine sua consciência e veja de onde vem este ódio, ele está corroendo a sua alma. Uma ultima coisa tenho a dizer: nós estamos aqui, neste planeta, vivendo esta vida ins pelos outros: eu nao sou nafa sem você, você sem mim também não tem propósito de existir. Sejamos mais humanos, mais amorosos, mais dignos, como Jesus veio nos ensinar… que Deus ilumine todos os corações deste mindo para afastar as trevas que estão nos envolvendo. Seja feliz e você fará muita gente ao seu redor feliz e, por favor, não se deixe pegar julgando o Outro, ele não é seu problema, se não puder/quiser ajudar, dê im passo atrás e siga sei caminho…

    Reply

  4. Avatar Maria Letícia Vieira Trindade
    28 de janeiro de 2019 @ 21:24

    Temos uma constituição que reza nossos deveres e nossos direitos. Os deveres não podemos, sem consequências, deixar de cumprir, mas nossos direitos… ah! Esses direitos estão cada vez mais esquecidos, sucateados e postos de lado enquanto grassa contra o nosso povo enxurradas de absurdos, desrespeito e violações. Se para o cidadão “normal” é assim, imagine aquele (sem entrar por ora no crédito do mal-feito) que se encontra em unidades prisionais e centros de remanejamento. Não se trata de lançar mão do argumento “fez mal tem que sofrer” (não creio que ninguém tenha o legítimo direito de fazer ninguém sofrer). O problema é extenso, complexo, doloroso e trabslhoso de se pensar. Há que se ter inteligência suficiente para observar problema tão grave de todos os seus angulos e sob seus infindáveis aspectos. Não é qualquer pessoa que pode ou saiba colocar o problema entre aspas, afastar todos os preconceitos e estranhar (neste caso, estranhar seria ver como se estivesse vendo pela primeira vez) a questão. Direitos humanos são direitos para todo ser humano, independente do que haja se passado os direitos humanos são inalienáveis. Estar disposto a pensar a respeito é estar disposto a abrir mão de todos os conceitos, preconceitos, pretextos, contextos e textos. Só e tão somente depois de examinar tudo o que envolve uma situação é que temos possibilidade de, então, pensar sobre e emitir uma opinião sobre se direitos humanos é só para alguns casos ou se é universal. Com uma vida vivida num mundo que dá voltas e voltas, é preciso ter em mente, com clareza o que significa direitos humanos e se eles devem e/ou podem ser retirados de outrem. Não nos esqueçamos que somos falhos e, mais importante, não somos nós, cidadãos comuns, sem dados, sem estudo, sem entendimento ou conhecimento algum da matéria que temos o dever de bater o martelo a condenar outros seres de direito, esta tarefa compete a quem escolher julgar como modo de vida. Mas o mais grave não é a leviandade com que a sociedade trata de assunto tão vital. O mais grave é que funcionários que estão a cargo de pessoas condenadas ou na espera de seu julgamento (portanto ainda sem, legalmente, estar em situação de sofrimento, solidão e miséria, sem falar de abusos e ameaças e outras coisas que tais) não se prestarem a fazer o trabalho que lhes compete: zelar por aqueles que estão sob sua custódia. Qualquer pessoa tem direito a ter acesso a informações vitais para que o processo ocorra de modo justo e que a dignidade das pessoas estarem a salvo. Alguém que venha a dever o que quer que seja, a quem quer que seja deve ter preservadas suas dignidades. A assistência à familia é obrigatoria, pois que estas pessoas nada têm a ver e não devem ser punidas com os descasos, a ignorância, o desrespeito e a falta de atenção e comunicação do que devem fazer, como fazer, quando fazer. O sistema peca ao não obedecer a uma regra geral que daria a todos a garantia de informações corretas e incorruptíveis. A prática de dar a cada diretor a prerrogativa de ditar as regras e poder muda–las a seu bel prazer é, além de irresponsável, também ridícula e desumana. O não oferecer a detentos de qualquer tipo uma formação técnica, académica ou de ofício e exigir e julgar, em caso de reincidência às raias de uma piada de muito mau gosto. Infelizmente a sociedade brasileira não se importa, não quer e, pior, não tem competência intelectual e conceitual para emitir qualquer opinião porque, e issi é certo, não foi educada para pensar por si, mas para reproduzir tudo o que lhe é entregue com discurso pronto. Me envergonho muitas vezes de ser brasileira e vender esta máscara de povo bom e acolhedor. Não me intetessa ser boa nem acolhedora para povo aue nao é meu. Quero meu povo sadio, respeitado, educado e pensante por si mesmo. Portanto, MAIS ESCOLAS, MAIS FILOSOFIA, MAIS LEITURA, MAIS CONHECIMENTO, MAIS SENSO CRÍTICO E ACIMA DE TUDO, MAIS E MUITO MAIS HUMANIDADE E HUMILDADE.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *