68% das mulheres que atuam no trabalho doméstico são negras

Compartilhar

Dado está presente no estudo ‘Os desafios do Passado no Trabalho Doméstico do Século XXI’, produzido pelo Ipea

Por: Mariana Lima

Em 2018, o país registrou 6,2 milhões de pessoas atuando no serviço doméstico remunerado, que varia entre as atividades desempenhadas por diaristas, babás, jardineiros e cuidadores.

Ao todo, 5,7 milhões eram mulheres, o equivalente a 92%, e, entre elas, 68% (3,9 milhões) eram mulheres negras.

2018 também apresentou um aumento no número de idosas que atuam nesta categoria. Elas já representam 7% dessas trabalhadoras. Em 1995, eram 3%.

Os dados estão compilados no estudo ‘Os desafios do Passado no Trabalho Doméstico do Século XXI’, produzido pelo Ipea com base nos dados da Pnad Contínua.

De acordo com a pesquisa, entre 1995 e 2018 houve uma diminuição na proporção de mulheres exercendo o serviço doméstico.

Apesar disso, a presença de mulheres negras não se modificou no decorrer do período analisado pelo estudo. Elas sempre representaram a maioria no setor.

No 1° ano do estudo, a média de mulheres ocupadas no trabalho doméstico era de 17,3%, índice que chegou a 14,6% após 14 anos.

Entre mulheres brancas, o índice foi de 13,4% para 10%, enquanto as mulheres negras foram de 22,5% para 18,6%.

Em 1995, apenas duas (17,8%) em cada dez domésticas estavam trabalhando com registro na carteira. O índice subiu para 33,3% em 2016.

O estudo ainda reflete sobre o perfil destas trabalhadoras, em sua maioria de famílias de baixa renda e com pouca escolaridade.

À medida em que cresce o acesso à escolaridade e a outras ocupações, muitas mulheres, principalmente as mais jovens, trocam os serviços domésticos por outros, como os de telemarketing, que consideram ser menos estigmatizados (embora não necessariamente menos precários).

Fonte: Universa


Compartilhar