Triste: Estupros e roubos em abrigos sobe alerta no RS

Compartilhar

Somente na semana passada, quatro homens foram detidos suspeitos de praticarem abuso sexual contra menores de idade em abrigos na região metropolitana de Porto Alegre; a prefeitura anunciou a criação de um abrigo exclusivo para mulheres e crianças. Além das prisões por abuso, 32 pessoas foram detidas pelos crimes de vandalismo, roubo, furto, invasões e danos ao patrimônio em meio às enchentes que atingem o Rio Grande do Sul.

Imagem: Pedro Piegas/ PMPA

Os agentes da Força Nacional que estão no Rio Grande do Sul auxiliando nas ações de resgate passarão também a atuar na segurança dos abrigos montados no estado. Segundo o governo, a expectativa é que o número de agentes federais atuando no Rio Grande do Sul chegue a 300 na próxima semana.

Somente na semana passada quatro homens foram detidos suspeitos de praticarem abuso sexual contra menores de idade em abrigos na região metropolitana de Porto Alegre. A prefeitura anunciou a criação de um abrigo exclusivo para mulheres e crianças.

As vítimas são todas menores de 18 anos e familiares dos suspeitos. Segundo o secretário da Segurança Pública do estado, Sandro Caron de Moraes, as verificações dos casos indicaram que todas as vítimas já sofriam abusos sexuais no ambiente doméstico e as ações criminosas foram reiteradas dentro dos abrigos.

A  delegada Adriana da Costa, que atua no departamento responsável pela capital e região metropolitana, afirmou que todas as medidas cabíveis estão sendo tomadas contra os suspeitos e os casos são investigados. A delegada ressaltou que a corporação está presente nos locais, também orientando e acionando outras secretárias para auxiliar a população que está nos abrigos.

A Brigada Militar e a Polícia Civil informaram que o policiamento foi reforçado nos abrigos da capital e da Grande Porto Alegre. A Polícia Civil diz que realiza rondas 24 horas e compartilha informações com os desabrigados e voluntários.

Além das prisões por abuso sexual contra menores de idade, outras 32 pessoas foram presas pelos crimes de vandalismo, roubo, furto e invasões e danos ao patrimônio em meio às enchentes que atingem o Rio Grande do Sul.

Roubos e furtos são os principais motivos que as pessoas que estão no meio das enchentes não querem deixar suas casas e acabam arriscando suas vidas.

Os crimes cometidos durante a tragédia infelizmente está mostrando o pior do ser humano, em meio a uma onda de solidariedade do país todo.

Os saqueadores e pessoas que tentam dar o golpe nas vítimas e nas pessoas que prestam ajuda é o verdadeiro exemplo do pior do ser humano. A boa notícia é que os milhares de voluntários e milhões de pessoas que estão mandando ajuda para as vítimas das enchentes mostram exatamente ao contrário. Estamos vendo lindos exemplos de solidariedade, empatia e generosidade.

 

Fonte: UOL


Compartilhar