08 de setembro: Dia internacional da Alfabetização

Compartilhar

O Dia Internacional da Alfabetização é celebrado em 8 de setembro. A data, reconhecida pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), foi criada com o intuito de discutir estratégias para a redução do analfabetismo em todo o mundo

Foto: Adobe Stock | Licenciado

Por Iara de Andrade

O Dia Mundial da Alfabetização é celebrado em 8 de setembro. A data reconhecida pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), foi criada com o intuito de discutir estratégias para a redução do analfabetismo em todo o mundo.

Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) sobre 2019, 11 milhões de brasileiros – com 15 anos ou mais – são analfabetos. Entre 2019 e 2021, o número de crianças – de 6 e 7 anos – que não sabiam ler nem escrever pulou de 1,4 milhão para 2,4 milhões.

Em sua publicação ‘Um Retrato da Infância e Adolescência no Brasil’, a Fundação Abrinq cita informações da organização Todos Pela Educação, sobre 2021, em que 27,8% das crianças mais pobres, de 0 a 3 anos, frequentavam creches, em comparação às 54,3% que viviam em domicílios mais abastados.

Quando vistos por região, os números são ainda mais preocupantes: no Norte do país, entre os anos de 2015 e 2020, a taxa de matrículas líquida das crianças ficou abaixo de 15%. Durante o período, o Nordeste apresentou um crescimento de 3,7 pontos percentuais e o Sudeste de 4,3.

O cenário se torna um desafio para o alcance da meta 4.2 dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU, que propõe assegurar o desenvolvimento integral de todas as meninas e meninos na primeira infância. A Fundação reforça que alfabetização é muito mais que ler e escrever, mas também tornar o aprendizado acessível a todos.

Nesse sentindo, o Relatório Luz, indica que a meta 4.6, sobre a garantia de que todos os jovens e adultos estejam alfabetizados até 2030, estava estagnada e retrocedeu. De acordo com o documento, o avanço de 29% do analfabetismo funcional no país em 2020 é resultado do desmonte do Programa Brasil Alfabetizado, praticamente extinto pelo subfinanciamento.

Em entrevista ao Observatório do Terceiro Setor, o Coordenador de Políticas Educacionais da Todos Pela Educação, Ivan Gontijo, disse que a etapa da educação infantil foi a mais afetada.

“De um modo geral, são números preocupantes. Já vínhamos numa situação muito difícil, que foi agravada pela pandemia, mas não quer dizer que o Brasil é um pais de terra arrasada, uma vez que temos iniciativas para a alfabetização no país com resultados bastante consolidados”.

Ivan cita o Programa de Alfabetização na Idade Certa (PAIC), uma política de cooperação entre Estado e Municípios do Ceará, com apoio do governo federal e em parceria com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), para alfabetizar todos os alunos das escolas públicas da região, até os sete anos de idade.


Compartilhar