ONGs brasileiras estão entre as mais relevantes do mundo em ranking

Compartilhar

 ONGs brasileiras estão entre as 200+ no ranking internacional da The Dot Good; no “Top 50 do Brasil” estão as ONGs Agência do Bem, CIEDS, IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social, Instituto da Criança, Instituto Phi, IOS, Junior Achievement, Pro Criança Cardíaca e Sitawi

Foto: AdobeStock.

No dia 12 de junho, a entidade suíça TheDotGood, responsável por classificar as principais organizações sociais em âmbito internacional, divulgou um ranking com as 200 organizações sociais mundiais mais influentes; também divulgou a lista das 50 instituições do Terceiro Setor brasileiro de maior destaque. Os critérios utilizados para avaliação foram baseados no grau de transparência, na maturidade dos níveis de governança, na gestão e no planejamento estratégico desenvolvido pelas ONGs listadas.

Desde 2010, o Thedotgood acompanha o trabalho de organizações do setor social ao redor do mundo e divulga o ranking internacional; a seleção combina análise quantitativa baseada em evidências com pesquisa qualitativa sobre a atuação das organizações. 

Ranking Internacional

A iniciativa oferece dois rankeamentos, o internacional, onde 200 organizações foram avaliadas; e o nacional, onde 50 organizações sociais brasileiras foram rankeadas a partir de suas ações e resultados como OSCs.

Das organizações brasileiras,  o CIEDS ocupou a 48º posição na classificação global, além de ocupar o primeiro lugar no ranking brasileiro, sendo a única organização da América Latina entre as 50 mais relevantes do mundo. Outras 17 organizações brasileiras participaram do ranking mundial: o Instituto da Criança (69º) NOSSAS (71º), Rede Cidadã (74º), Sitawi Finanças do bem (86º), Serrapilheira (99º), Movimento Bem Maior (103º),  Vetor Brasil (108º), RAPS (114º), Artemisia (121º), Amigos do Bem (128º), Instituto da Oportunidade Social – IOS (153º), Base Colaborativa (159º), Instituto Alana (161º), VIVA RIO (165º), Vocação (169º), Instituto Ramacrisna (177º) e o FAS (183º).                                 

O terceiro setor no Brasil

Em 2023, thedotgood apresentou o Top 50 Brazil SGOs, após um Top 25 em 2022. Olhando para a diversidade de organizações brasileiras, esta nova lista é uma homenagem à diversa e inovadora Esfera do Bem Social Brasileiro.

No ranking brasileiro, além das 18 organizações que se destacaram entre as 200+, aparecem na lista: IDIS (19º), Gastromotiva (20º), Instituto Phi (21º), Agência do Bem (22º), UNIBES (23º), UMANE (24º), Agenda Pública (25º), Quintessa (26º), Plano Brasil (27º), Fa.Vela (28º), Junior Achievement Brasil (29º), Wimbelemdon (30º), Vagalume (31º), Peabiru (32º), Gerando Falcões (33º), ID_BR (34º), Refúgio 343 (35º), Liga Solidária (36º), Geração Brasil (37º), Renova_BR (38º), Instituto Desiderata (39º), Recodificar (40º), Pró Criança Cardíaca (41º), Reflexos da Liberdade (42º), Baobá (43º), Instituto C (44º), Turma do Bem (45º), CIEB (46º), AMR (47º), Conectas Direitos Humanos (48º), Proa (49º), Projeto Saúde e Alegria (50º).

Responsável por 4,27% do PIB brasileiro, as organizações do Terceiro Setor empregam cerca de 6 milhões de pessoas e causam um impacto relevante no campo social e econômico do país, como demonstrado pela recente pesquisa “A importância do terceiro setor para o PIB do Brasil”, realizada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), pela Sitawi Finanças do Bem e pelo Movimento Por Uma Cultura de Doação.

As iniciativas da diversas organizações brasileiras do terceiro setor estão alinhadas com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, contibuindo para o cumprimento das metas estabelecidas pela Agenda 2030 da ONU.

 


Compartilhar