Arqueólogos encontram “ferramentas complexas” de 2,6 milhões de anos

Compartilhar

As “ferramentas complexas” são pedaços de rocha lapidados com formato pontiagudo. Descoberta foi feita na Etiópia

David R. Braun/Reprodução

Arqueólogos encontraram, na Etiópia, a evidência mais antiga de que humanos primitivos dominavam a produção de ferramentas complexas de pedra. Estima-se que as ferramentas tenham 2,61 e 2,58 milhões de anos de idade.

Podemos chamar de “ferramentas complexas” pedaços de rocha lapidados com formato pontiagudo.  Essas ferramentas são ótimas para tarefas como cortar objetos e cavar buracos.

Elas estavam enterradas junto a uma coleção de 300 artefatos de pedra no sítio arqueológico etíope de Ledi-Geraru. A região do país africano, que fica ao leste do continente, está repleta de evidências que remontam ao passado dos primeiros hominídeos.

No Quênia, mais precisamente no sítio arqueológico de Lomekwi, cientistas já acharam ferramentas de pedra na casa dos 3,3 milhões de anos de idade.

Pedras pontiagudas alguns milhões de anos mais velhas podem dar uma clareza maior sobre o quão refinadas eram as ferramentas dos primeiros hominídeos – que inauguraram sua própria linhagem há pelo menos 2,8 milhões de anos.

A cinco quilômetros de Ledi-Geraru, por exemplo, pesquisadores descobriram o fóssil mais antigo do gênero Homo que se tem registro: um pedaço de mandíbula com 2.8 milhões de anos, encontrado em 2013.

Fonte: Super Interessante


Compartilhar